ANTES TARDE DO QUE NUNCA?

Parece que a diretoria começou a se incomodar com o futebol praticado pela equipa só aos 25 do segundo tempo e parece clichê, mas reformular elenco no meio de temporada nunca deu certo, é uma mesma do futebol.

O que não falta são explicações, dá imprensa alguns bombardeiam e poucos outros demonstram paciência, a diretoria afirma que tenta, faz alarde, mas na verdade o que está por vir é só o Vinicius Araujo. A torcida continua a fazer sua parte, com mais de 70 mil sócio torcedores, a média de público continua razoável e o que falta é futebol. Observamos esse ano o que qualquer fanfarrão sabia, Alexandre Mattos faz grande falta, não só por ser quem é, e sim pela falta de um diretor de futebol no clube para indicar e correr atrás de jogadores, principalmente por que Gilvan já se mostrou não ser o mais indicado para cobrir essa função, o negócio dele parece ser mesmo financeiro e judicial.

E a bola da vez é dizer que falta meias no mercado. Será mesmo que não existe opções?! Agora a pouco o blog de PC Almeida falou sobre e citou algumas das opções, clique aqui para ler. E mesmo que algumas destas não sejam as alternativas mais sonhadas para quem viveu anos de glória com Ribeiro e Goulart, ter um camisa 10 é melhor que não ter. Renato Cajá, que para muitos não era jogador do potencial celeste, cairia como uma luva nesse time que só tem jogadores que atacam pelo flanco.

Na entrevista coletiva de Luxemburgo após a derrota para a Chapecoense domingo, o treinador pediu paciência e mostrou tranquilidade para lidar com a situação, dizendo que o campeonato só se acaba em dezembro. Quando questionado sobre a falta de opções no elenco, Vanderlei não polemizou, e citou os desfalques por lesão, que realmente fazem falta, e também falou dos selecionáveis.

Ao meu ponto de vista não seria tarde para buscar um diretor de futebol e um, talvez dois, meio campistas. Já que de fato dinheiro não deve ser o problema para o clube e sim incompetência.

E aproveitando a deixa, nem só de trevas vive a diretoria, creio eu que a troca de técnico veio no momento certo, mas Luxemburgo se mostra na mesma situação que Marcelo, sem opções. Apesar de que os times de Marcelo Oliveira de fato só tinham um modo de jogar, Luxa que é um técnico com diversas cartas na manga, acaba se mostrando oprimido pelo mesmo problema e a equipe volta a jogar como antes, sem criatividade, no mesmo padrão tático.

Nenhum comentário: